Resumo da 21ª Conferência de Aids

Terminou no dia 22 a 21ª Conferência de Aids

A 21ª Conferência Internacional de Aids terminou nesta sexta-feira (22), em Durban, na África do Sul, com apelos para que se aumente o financiamento da luta contra a doença, enquanto a busca pela cura continua e 2,5 milhões de pessoas continuam se infectando pelo HIV por ano, informa a agência AFP.

“O trabalho simplesmente não é feito”, disse a presidente da Sociedade Internacional de Aids (IAS), Linda-Gail Bekker, para milhares de delegados na cerimônia de encerramento do evento.

“Durante os cinco dias da conferência, 15 mil pessoas que vivem com HIV morreram, (…) e mais de 28 mil foram infectadas com o HIV no mundo”, acrescentou.

“Isto me indigna e me assusta, e não vejo espaço para complacência”, completou Bekker.

Cerca de 15 mil cientistas, ativistas e doadores se reuniram na cidade portuária sul-africana de Durban para discutir os mais recentes avanços na luta contra uma epidemia que matou mais de 30 milhões de pessoas em 35 anos.

Enquanto o número de novas infecções estabilizou, o financiamento sofreu uma queda.

Um estudo do Unaids (Programa Conjunto das Nações Unidas) e da Fundação Kaiser Family apresentado na conferência apontou uma queda de bilhões de dólares em financiamentos de governos, de US$ 8,6 bilhões em 2014 para US$ 7,5 bilhões no ano passado.

“Estamos em um momento particularmente crítico para o futuro do financiamento”, disse Bekker, que é a primeira mulher africana a comandar o IAS.

O alerta chega dois meses antes de uma conferência da organização de financiamento internacional Fundo Global no Canadá.

O Fundo Global foi criado em 2002 com o objetivo de arrecadar dinheiro para a luta contra a aids, a malária e a tuberculose.

A organização está pedindo um financiamento de pelo menos US$ 13 bilhões dos governos doadores.

“Uma falha na tentativa de preencher esse déficit só custaria mais dinheiro”, disse a Rede de Advogados do Fundo Global no início desta semana.

Um estudo divulgado pelo grupo nesta semana alertou sobre 21 milhões de mortes evitáveis por aids e 28 milhões de novas infecções pelo HIV nos próximos seis anos se o Fundo Global não conseguir os US$ 13 bilhões solicitados.

“Tudo se resume a isso: se as pessoas vivem ou morrem em muitos países é algo que vai depender de como os doadores respondem ao chamado do Fundo Global para a ação”, disse Bekker. “Vidas dependem do Fundo Global”, completou.

Cerca de 36 milhões de pessoas no mundo vivem com o HIV, principalmente na África subsaariana. Destes, apenas 17 milhões estão recebendo tratamento.

A ONU definiu o ano de 2030 como o prazo final para acabar com a epidemia de aids no mundo.


Fonte : IstoÉ com informações da AFP
Extraído Original em: http://agenciaaids.com.br/home/noticias/noticia_detalhe/25173